06 março, 2017

Jantar no Huang He em Lisboa



Era uma 6ª feira chuvosa e a cidade não estava para passeios mas sim para um jantar com amigos. Liguei a minha irmã e ao Guilherme e lá escolhemos o restaurante, o Huang He, um restaurante chinês à antiga sem o interminável buffet de qualidade duvidosa. Não, este restaurante era aquele típico "chines" com os pratos de sempre com os quais fomos habituados na nossa juventude. Crepe, Massa de Arroz com gambas, Galinha com Bambú e Pato à Pequim a dividir por 5. Estava tudo perfeito.

It was a rainy Friday night and the city was not welcoming for a night walk so we had to stay indoors and have a dinner with friends. I called my sister and Guilherme and went to Huang He, a chinese restaurant like the old days, without that all-you-can-eat mode with doubtful food. No, this was the chinese restaurant with the eternal dishes we remember from our youth. Spring Rolls, Fried Noodles, Chicken with Bamboo and Beijing Duck for 5 people. It was perfect. 


Depois do gelado frito, que não era bem o melhor que já comi e o café, sentia que ainda faltava algo para completar o jantar. Olhei lá para fora e vi que não chovia, as pessoas na mesa estavam um pouco relutantes em sair portanto, saí eu e desenhei o final da Av. das Forças Armadas, quase na rotunda de Entrecampos. As típicas luzes douradas de Lisboa e o chão molhado pela chuva faziam uma atmosfera perfeita para uma aguarela. 

After the fried Ice Cream and the expresso, I felt the dinner was incomplete. I looked outside and the rain had stop for a minute, there was a chance to sketch that golden night atmosphere and I took it. This golden mood and the water reflections were perfect to capture in watercolour. 

01 março, 2017

Sombras e Luz


Quando a sombra se abate sobre nós, há que procurar uma ínfima réstia de luz onde quer que seja. Há quem prefira os holofotes, mas essa luz é muito superficial e dura pouco. As luzes mais triviais, aquelas mais singelas são as que verdadeiramente nos iluminam. Iluminam o rosto e o nosso corpo mas sobretudo o nosso enfraquecido espírito... 

When shadows are upon us we must seek even the dimmest light. Some may prefer the spotlights, but it's a very superficial light that fades quickly. The most trivial of lights are the ones that truly enlighten us. Our face, our bodies but mostly our souls... 


As crianças são feitas de luz e tudo o resto lhes passa ao lado...

Children are made of light, they don't even conceive the idea of darkness... 


Mas para nós, passar ao lado das sombras já não é uma opção, ainda por cima agora que o Carnaval já acabou  e os holofotes apagaram-se. Há que enfrentar as sombras e saber que elas ameaçam tornar-se permanentes mais cedo ou mais tarde.

Mas nós somos feitos de luz... 

But unfortunately for us, avoiding the shadows is no longer an option, mostly at this time that Carnival is ending and so are it's spotlights. We must face the darkness and interiorize that someday they'll become permanent. 

But we're made of light... 


...e existimos em grupo, unidos para que nos possamos iluminar uns aos outros...

...and we stand together so we can bring more light to each other... 

21 fevereiro, 2017

Lia




Sábado foi dia descanso total e ficámos por casa, o dia todo de pijama. Tempo para praticar também os retratos em aguarela e a minha filha foi a cobaia perfeita.

Saturday was one of those days to do nothing and wear pajamas all day long. I was practicing watercolour potraits and my 4 year old daughter was the perfect test subject.  

18 fevereiro, 2017

Review: Watercolor Book Hahnemuhle (ENG)

Here's the sketchbook that's been my daily companion for a while now, the fantastic Watercolour Book by German paper manufacturers Hahnemuhle. It features natural white Akademie Hahnemuhle 200gsm, acid-free paper slightly grained on both sides. I'm reviewing the A5 landscape format, perfect for my passion for panoramic sketches. It contains 60 pages / 30 sheets, a fantastic well-crafted cover with the traditional rubber band to hold it together. 

This is my sketching kit I carry all the time: The Watercolour Book; Lamy-Joy EF nib; Lamy ALstar F nib; 0,7mm White Posca; Rembrandt Watercolours by Royal Talens + 4 brushes. I use Platinum Carbon Black Ink in both of my Lamy's (The ALstar is deluded with water) because of it's waterproof capabilities and fast drying time, perfect for 15-30 minute sketches. I'm an experienced sketcher but an amateur when it comes to watercoloring, so I tend to use lots (AND LOTS) of water throughout the coloring process and the sketchbook handles it quite well. I can easily use up to 4 layers of watercolour in one sketch and repeat the process on the next page with a new sketch. 

   One less positive aspect of this sketchbook: the paper buckles a bit when I use heavy washes on it but that's easily solved with a couple of paper clips on each side or, by stretching the paper by washing it first and then let it dry closed. 

Aside from that, it's a joyous experience to sketch on one of these. Colours blend in perfectly and the way the watercolour lays on the paper is wonderful with some nice granulation effects due to it's texture. With the natural white paper I can get fresh and saturated colours that I wont get with a cream coloured one. Since the paper can take the punch, I tend to mix more paint than normal, and in time, this sketchbook became my laboratory, slowly evolving from a typical urban sketcher book to an artist's book where I study different ways to mix and apply colours.

  As I mentioned before,  I prefer to use pen and ink and I've tried a wide range of pens on it and honestly, it's all the same for me. I choose the pen that I feel more comfortable with, regarding of the paper type I'm using. The textured surface of this sketchbook might affect your lines and make them look rough like pencil but I kinda like expressive linework instead of dull, accurate lines with the same width from point A to point B, so for me this is a huge plus.


Last but not least, the key feature that make me fell in love with it: It's a proper A5 landscape sketchbook instead of the Moleskine that feels much more wider. The extra 2cm on width can make a huge difference in your sketches, believe me. The Hahnemuhle book doesn't feature that expandable inner pocket like the Moleskine one but, who cares?

All in all, it's a fantastic and affordable sketchbook that I'll keep using for the time being, or until my skills require a more exquisite paper. But even so, I think I'll always have one of these on my shelf, just in case...

Final score: 4,5 / 5

Check product page here

13 fevereiro, 2017

RubberDown at Vox


Tempo de voltar ao espaço do meu grande amigo Hélder Sanches, o Vox Café na Graça em Lisboa, para  ver a banda de um grandíssimo amigo tocar. O André (à direita) é meu amigo de há décadas e foi um dos grandes responsáveis pela minha cultura musical actual. Através dele tomei conhecimento de novas bandas e novos sons bem como o gosto pela guitarra, que comecei a tocar em grande parte por vê-lo tocar. Certo dia, já desertos de tocar nas esplanadas da Graça por puro lazer, formámos uma banda com o outro grande amigo nosso para tocar ao vivo em bares por essa Lisboa fora. Foram anos que jamais esquecerei e que fizeram de mim o que sou hoje, uma pessoa de espírito aberto e social que não vive um dia sem ouvir música, que por sua vez me inspira para desenhar. Ver os meus amigos continuar esta "luta" que é a música é para mim um prazer enorme porque para além de me transportar no tempo para aqueles anos gloriosos, tenho o máximo respeito pelas pessoas que fazem aquilo que mais gostam apenas e só pelo prazer que lhes dá.

Time to return to Helder's bar Vox Cafe in Graça, Lisbon to see my best friend's band playing live. André (on the right) is a long time friend and one of the responsible  for my musical taste nowadays. Trough him I got to know about new sounds and bands never heard before as well as my love for the guitar, developed by seeing him play. One day, after months playing for ourselves in Graça's outdoor cafes, we formed a band with another great friend of ours, to play in bars throughout Lisbon. Those were the years I'll never forget, that forged my personality and taste in music to the fact that I cant live without, at least 2 hours of music a day. It's a pleasure  to watch my friends  going on in this struggle that is playing music in Portugal mainly to recall those years but because I like to see people doing what they love most. 

02 janeiro, 2017

Natal 2016



Neste Natal voltámos a uma velha tradição, a de passarmos todos juntos em família na nossa casa conjunta, o Casal do Facho no Varatojo. Os miúdos já cresceram e já não precisam das comodidades das nossas casas como trocadores de fraldas e quartos recatados para dormir sestas. A noite começou com o queijo da Serra e rapidamente continuou pelo tradicional bacalhau bem regado de um belo tinto, seguido pelos não menos tradicionais doces da época. Num ápice, era hora de abrir as prendas que o Pai Natal (o meu sogro disfarçado) foi entregar. A Lia ficou  maravilhada mesmo com uma visita tão fugaz de um Pai Natal apressado e tímido, que tinha de fugir para poder entregar as prendas aos outros meninos a tempo... O Natal sem os miúdos não tinha a mesma piada certamente.

This year we brought back our family Christmas Tradition and went to our home in the country, Casal do Facho in Varatojo. Kids are all grown up now and there's no need for baby amenities anymore. the night started with the traditional cheese, cod and went on with no less traditional sweets. My father in law disguised of Santa and brought all our presents for my daughter's delight! Without kids, Christmas was way less funny. 


O dia seguinte continuo na mesma base do anterior, desta vez com a família mais completa. Almoço farto com a "roupa velha" das sobras da noite anterior, polvo à lagareiro e um vinho ainda melhor! 

Next day, with more people at the table, festivities went on with the same spirit as the night before. 


Para melhor fazer a digestão, tempo para a tradicional volta pelo campo até a Floresta Mágica (nome dado pelos miudos ao pinhal ali perto) banhada pelo amarelo do pôr-do-sol, num cenário à Turner, mestre que admiro bastante e faço por seguir, quer na mestria da linha como pela brilhante aplicação de cores e de luzes.

After lunch, time for a stroll in the countryside bathed by yellow light of the sunset, in a Turner like setting. Turner is one of my all time favorite artists and sort of a mentor since I'm allways trying to resemble his lines and his use of light. 

29 dezembro, 2016

Encontro de Natal em Torres Vedras



Estava frio nesta manhã de Dezembro em Torres Vedras. Mais uma vez, aproveitei para "rebentar" com o stock de folhas soltas lá de casa e foi com um caderno em fole que comecei a minha reportagem no Museu Municipal durante a visita guiada à exposição sobre o Castro do Zambujal, um importantíssimo povoado Neolítico nas redondezas da cidade. Passando pela anfitriã, pelas peças exibidas, o espaço e pelos intervenientes, deu para tudo. À direita, o Pai (André), o Filho (Tomás) e o Mestre (António Bártolo) concentradíssimos nos seus registos. 

It was cold in this December morning in my hometown Torres Vedras. Once again I choose to shorten my stockpile of watercolour paper and I made a concertina sketchbook to report the guided tour in Municipal Museum Leonel Trindade to an exhibition about Castro do Zambujal, an important Neolithic settlement nearby. On the right, the Father (André), the Son (Tomás) and the Master (António Bartolo) focused on their sketches. 


Depois da aventura que foi para almoçar, onde os poucos restaurantes que estavam abertos, rebentavam pelas costuras, lá comemos uma coisa rápida na Havaneza, onde eu e o Pedro Loureiro tivemos o prazer de conhecer o António Latino Tavares  cujos desenhos admiro muito desde que os vi pela primeira vez no Livro Lisboa pelos USk. Tempo então para me dedicar a desenhar o que mais gosto: espaços e formas...

After the struggle to get something to eat for lunch since every restaurant was packed, time for a quick snack at Havaneza where I and Pedro Loureiro had the pleasure to meet Antonio Latino Tavares, a very talented sketcher. After that, time to dedicate to what I love the most: Shapes and spaces... 



Deu para desenhar o claustro do Convento da Graça de cima e debaixo das suas arcadas num interessante exercício de perspectiva e de sombras uma vez que o Sol estava no ponto para tal.

I sketched the cloister of Graça Convent from above and under the colonnade in an interesting perspective and shading exercice.  




No final do encontro, para além da tradicional foto de grupo, tempo para um lanche ao mesmo tempo que se fazia uma troca de esquissos entre os participantes que ainda se encontravam no local. O meu não viajou para muito longe, foi para o meu colega de trabalho Pedro Loureiro, o que me deixou bastante contente por saber que foi para um talentoso desenhador, um dos que mais admiro. O desenho que me calhou, foi igualmente um momento feliz por ser do Bruno Vieira, um desenhador Torriense que tanto prezo. Foi mais um dia fantástico na minha cidade!

Near the end, the traditional group photo and an afternoon snack a the same time we exchanged sketches among each other. I was most happy when I found that my sketch went to Pedro Loureiro, my colleague and a talented sketcher, one that I admire the most. The sketch that I got was another fortunate moment because it was Bruno Vieira's, a local talented sketcher, another one that I cherish the most. Another great day in my hometown!  

28 dezembro, 2016

A esquina das Belas-Artes



Há coisa de um ano escrevi neste no blog dos USkp: "Esta é a que eu chamo "a esquina mais desenhável do mundo". Tem tudo, movimento, ícones de Lisboa, vista fantástica e um largo meio bucólico no meio da confusão da cidade. Cores, texturas, sons... Um dos sítios que se devia desenhar todas as semanas e mesmo assim, os resultados seriam sempre diferentes. Fica aqui um momento de sorte, em que nos 8 minutos que demorei nas linhas passaram por mim, dois eléctricos... No meu desenho ficaram no mesmo intervalo de tempo ;)" 

 Eis que no momento em que comparo este post com o anterior que fiz deste mesmo local (aqui), tudo o que tinha escrito na altura faz sentido. Podia estar aqui dias a fio e os desenhos dificilmente seriam cópias uns dos outros. Desta vez, com a companhia do Pedro Loureiro e do Tomás Reis e com materiais totalmente diferentes dos de outrora bem como um pouco mais de tempo, saiu uma aguarela e não tanto um esquisso. São experiências, todas elas válidas e se o local para o efeito for deste calibre, melhor ainda ;)

A year or so ago I wrote in USkp blog: "This is what I call The most sketcheable corner in the world. Has it all: Movement, colours, textures, sounds, Lisbon Icons, stunning views and the most bucolic square right in the city centre where all the fuzz is... If I sketch this place every week, the results would be different everytime... 

In the moment I compare both sketches (older post here), all that wrote at the time make sense. This time alongside Pedro Loureiro and Tomás Reis, with new materials and supplies as well as more time, the sketch came out as a proper watercolour and not so raw lines and fast colour like I'm used to do. They're both experiences, both valid and if the location for it has this kind of beauty, all the better! ;) 

Calçada de São Francisco, Lisboa, Portugal 

22 dezembro, 2016

BM Xmas Dinner


O momento mais esperado por muitas empresas espalhadas pelo nosso mundo é sem duvida o Jantar de Natal. Um evento onde todos os colegas e directores podem conviver sem pensar na azáfama do dia a dia. Para a empresa onde trabalho, a Broadway Malyan, isso não é excepção. Para mim e para o Pedro Loureiro (a desenhar no canto sup esquerdo) este evento também é sinónimo de continuar a desenhar até nos fartarmos, ou no meu caso, até começarmos a ver duas canetas no papel em simultâneo... Para facilmente transportar todo este evento no bolso, cortei uma folha A3 da Inart 250g e fiz um caderno japonês que o preenchi na sua totalidade (ainda estou  para saber como!) Na primeira metade fica o registo mais sóbrio, entre a nossa Info Evening onde foram feitas muitas apresentações sobre os trabalhos realizados este ano e o inicio do jantar no restaurante Tabik, em Lisboa...

One of the most awaited moments in any company is the Xmas Dinner/Party, an event where every colleagues and directors can relax and chat outside the studio with no stress and work  related subjects. Here in Broadway Malyan there's no exception as we all gathered and celebrate another success year among each other. To me and Pedro Loureiro (sketching in left up most corner) this means sketching until you had enough or in my case, until you start to see two pens sketching simultaneously... To carry the entire event in my pocket, I built a concertina sketchbook that ended fully completed (still need to figure out how I did it...). The first half has the "sober" sketches and the start of our dinner at Tabik's in Lisboa. 



... durante o jantar, sobremesa e copos seguintes, tudo foi motivo de registo, registos esses que deixaram de se enquadrar no "urban sketching" e passaram a fazer parte do movimento "drunken sketching".

...during dinner, desert and drinks afterwards, I sketched everything in "urban sketching" style that slowly evolved into "drunken sketching". 

Em baixo, a primeira tira com mais detalhe.




25 novembro, 2016

Rua do Regedor


Desta vez, fui desenhar para a rua do Regedor, para uma modesta esplanada que tinha esta vista. Fui na companhia do Pedro Loureiro e do Tomás Reis para o habitual café depois de almoço e já que nos encontrávamos tão bem instalados, porque não um desenho? Desta feita resolvi acabar com os blocos de folhas soltas que tenho por casa e para tal arranjei esta base de cartão e duas molas que me permitem desenhar como se ainda estivesse a usar o meu habitual A5 Panorâmico.  Para uma futura exposição. é bem mais fácil a montagem e quem sabe, a futura venda...

Today I went to Rua do Regedor for my daily sketch in the good company of Pedro Loureiro and Tomás Reis. Tired of notebooks stacking up in my house, I decided to end that and start to sketch in loose sheets joined together with clamps in a rigid cardboard that resembles my usual landscape sketchbook. This way becomes much easier to assemble an exhibition of my futures sketches and maybe, sell a few... 



Estas folhas são Fabriano Accademia 200g/m², que conheço muito bem dos Cadernos Venezia, que apesar de não serem as ideais para aguarela, gosto bastante da forma como a agua se espalha e das manchas resultantes.

These are Fabriano Accademia 200gsm paper sheets that I know all too well from using the Venezia Book. This is not the perfect watercolour paper but I allways loved how the watercolour lays. 


E aqui, o resultado final tal como está na folha. Sempre que desenho em cadernos, ao contrário do que a maioria dos aguarelistas fazem, nunca uso a folha na sua totalidade. O espaço em branco tem sempre grande destaque em todos os meus desenhos. 

Here's the final result just as it is on the paper. I tend to leave a great deal of white space on my sketches. 

13 novembro, 2016

Casamento Sofia + Miguel


No passado dia 22 de Outubro fui convidado para o casamento dos amigos Miguel e Sofia. Foi um casamento diferente porque não fui acompanhado pela minha mulher (ela foi mais tarde para a festa) mas sim pela minha filha! Foi ela que me acompanhou para a igreja de Nossa Sra. de Fátima, que me era desconhecida e me surpreendeu com um ambiente escuro mas muito art Deco / Salazarenta típica dos nossos anos 30 que eu gosto bastante (não sou fascista / saudosista de Salazar ok?)  Fui desenhando todo o casamento no missal que nos fora distribuído que no fim ofereci à mãe do Noivo que do alto da sua ternura e simplicidade, me agradeceu calorosamente ;)

Last October 22nd I attended the wedding of my friends Sofia and Miguel and rather than being accompanied by my wife, I was with my daughter instead ( my wife went a bit later).  Me and my daughter walked in this beautiful church that resembles Art Deco / Salazar architecture, typical of Portuguese 1930's wich I love (no I'm not Fascist..lol). I sketched the whole wedding in the booklet that was given to us at the beginning and when the ceremony ended I hand it over to the groom's mother. 



Aqui, já na presença da minha mulher, momentos soltos da festa na Quinta das Riscas, na companhia da minha irmã, cunhado sogros e claro, a filha.

Later at the party, now in the company of my wife, bits and pieces of it, with my sister, brother-in-law, parents-in-law and of course, my daughter.
Aqui, o desenho que ofereci aos pais do noivo que de seguida lhes ofereceu. Uma aguarela da igreja onde se deu o "SIM" feita no melhor papel de aguarela que já usei: Arches 100% algodão, 300g de Grão Grosso.

And here's my gift to the newly weds, a watercolour of the church where the "I DO" took place, using the best watercolour paper I've used so far: Arches 100% coton, 300gsm Cold pressed. 

12 novembro, 2016

Exposição no Elegance Bar


Deixo aqui o anuncio/convite para verem alguns dos meus trabalhos (originais) em âmbito de Diário Gráfico numa exposição num espaço que me é muito querido, o Elegance Bar em Torres Vedras. A inauguração será na próxima 2ª feira dia 14, no final do dia, por volta das 19:30 e vai estar patente até ao final do ano. Visitem o espaço e bebam um copo.

Between 14th November and the end of the year, Elegance Bar in my hometown Torres Vedras, will host a small exhibition of my sketchbooks. I'll be at the inauguration between 19:30 and 23:00. If you're near, don't miss it and have a drink while you're at it. 

03 outubro, 2016

Matrecos!

Foi o aniversário da minha mãe no passado dia 1 e fomos todos almoçar ao Snack Bar Cavalinhos em Palmela. O choco frito estava divinal e os desenhos feitos durante a refeição ficaram na toalha da mesa como já vem sendo hábito. Depois foi tempo de facilitar a digestão com um frenético jogo de matrecos! Os miudos começaram a jogar entre eles até que chega a hora dos crescidos entrarem em acção. Eu e a minha mulher perdemos num renhido 4-5 para a minha irmã e cunhado e eis que de seguida entra em cena o meu pai, um monstro dos matraquilhos... Sempre que ele joga, poucas ou nenhumas chances são dadas ao adversário. Acho que até conseguiram marcar um golo ou dois...

It was my mum's birthday last Saturday and my family went to Palmela to lunch at Cavalinhos Snack Bar. The fried cuttlefish was superb and all sketches of that meal were made on the table paper cloth as usual. Then, after desert, it was time for some Foosball action! Kids started playing with each other and then the grown ups took over the table. Me and my wife lost in a tight 4-5 match to my sister and brother in law, and then my Dad, the Foosball monster, comes into the scene... Everytime he plays, little or zero chances are given to his opponents. I think they could manage to score once or twice...   

28 setembro, 2016

Lisboa Velha XIII - Seguindo Roque Gameiro



O largo da Achada é um lugar fantástico para esquissar e este recanto com este edifício centenário é especial. A minha perspectiva não ficou exactamente igual à do RG porque um carro estava estacionado precisamente no sítio onde devíamos desenhar... 


Largo da Achada, in Lisbon is a fantastic place to Sketch and this narrow alley with a centuries old house is special. May perspective doesn't match perfectly with the original as I wanted to because there was a parked car in the perfect spot... 

Lisboa Velha XII - Seguindo Roque Gameiro



A repetição tão esperada (por mim) de um desenho deste desafio. O primeiro que fiz (aqui) deixou-me francamente insatisfeito porque não consegui captar a paisagem com a mesma força que o RG fez (e sei que será quase impossível faze-lo), portanto lancei o desafio a mim mesmo de voltar a tentar e agora já fiquei um pouco mais feliz. Já consegui aqueles contrastes dramáticos que esta paisagem oferece. Dificilmente vou conseguir um dia de sol tão bom como este antes do final do desafio mas vou tentar mais uma vez...